jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Pensão por morte é devida a ex-cônjuge que comprovar necessidade econômica

    Publicado por Expresso da Notícia
    há 11 anos

    É possível a concessão de pensão por morte a ex-cônjuge mediante comprovação da necessidade econômica na data do óbito, sendo desnecessária a demonstração da efetiva dependência econômica. A decisão é da Turma Nacional de Uniformização (TNU) dos Juizados Especiais Federais (JEF), que se reuniu em Brasília, nos dias 5 e 6 de maio.

    O autor apresentou recurso à TNU contra decisão da 2ª Turma Recursal de Minas Gerais, que manteve a sentença de 1º grau que tinha negado seu pedido de pensão pela morte de sua ex-mulher.

    A negativa tomou por base o fato de que não foram apresentados documentos como prova da dependência econômica, pelo contrário, ficou comprovado que os dois estavam divorciados desde 2003, após estarem separados de fato há sete anos, e que até o falecimento da segurada, em 2005, o autor não chegou a receber, nem mesmo solicitar, auxílio financeiro.

    O autor-recorrente sustentou que, ao exigir a comprovação da dependência econômica (efetivo recebimento de pensão alimentícia ou auxílio-financeiro, ainda que informal) para a concessão de pensão por morte de ex-cônjuge, o acórdão contraria o entendimento dominante do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que considera suficiente a comprovação da mera necessidade econômica, que pressupõe apenas condição socioeconômica desfavorável.

    “A mulher que renunciou aos alimentos na separação judicial tem direito à pensão por morte do ex-marido, comprovada a necessidade econômica superveniente”, estabelece a Súmula 336 do STJ.

    Com base nesse entendimento, o relator do processo na TNU, juiz federal José Antonio Savaris (foto), afirmou que a concessão de pensão por morte de ex-cônjuge não deve ficar restrita aos casos em que o segurado falecido atendia às necessidades do requerente - pagando-lhe pensão ou ajudando-lhe financeiramente - devendo ser estendida à situação em que o requerente efetivamente precisava deste auxílio. “O fato do ex-cônjuge ter sobrevivido sem a ajuda do segurado, ainda que dela necessitasse, não pode ser óbice à concessão de pensão por morte”, concluiu o magistrado.

    Com a decisão da turma, o processo deve retornar à Turma Recursal de origem a fim de que os fatos sejam examinados e o julgado adequado com base no entendimento uniformizado pela TNU.

    Processo nº 2007.38.00.73.6982-0

    Informações relacionadas

    Carla Setúbal, Advogado
    Modeloshá 2 anos

    Recurso Inominado Previdenciário

    Engenheiro que teve o nome veiculado em placa de obra após sua dispensa deve receber indenização

    Flávia Teixeira Ortega, Advogado
    Notíciashá 5 anos

    Reconhecimento de união estável após a morte: como fazer?

    Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
    Notíciashá 11 anos

    O que se entende por alimentos in natura? - Áurea Maria Ferraz de Sousa

    Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-81.2017.8.07.0018 DF XXXXX-81.2017.8.07.0018

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)