jusbrasil.com.br
17 de Dezembro de 2018
    Adicione tópicos

    Ex-chefe da Polícia Civil do Rio é preso em flagrante

    Publicado por Expresso da Notícia
    há 11 anos

    A Polícia Federal (PF) prendeu, no dia 29, em flagrante o deputado estadual e ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, no governo Anthony Garotinho, Álvaro Lins (PMDB). O deputado estava no apartamento dele, em Copacabana, na zona sul do Rio, e foi levado em um carro da PF para a superintendência do órgão, na Praça Mauá, centro da cidade.

    Lins é acusado de quatro crimes: lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, corrupção passiva e facilitação de contrabando. O ex-governador Anthony Garotinho também está sendo procurado. Ele é acusado de formação de quadrilha armada. Agentes da PF realizam buscas em dois endereços de Garotinho.

    Desde o início da manhã, a Polícia Federal realiza a operação Segurança Pública S/A, com o objetivo de cumprir sete mandados de prisão preventiva e 16 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

    Até agora, pelo menos dois mandados de prisão foram cumpridos. Além de Álvaro Lins, a PF prendeu o policial civil Alcides Campos Sodré, conhecido como Alcides Cabeção, na casa dele, num condomínio de luxo localizado na Taquara, em Jacarepaguá, na zona oeste da cidade.

    O policial foi assessor do ex-chefe da Polícia Civil, Ricardo Hallack, que sucedeu Álvaro Lins em 2006, à época em que ele deixou o cargo para se candidatar. Neste momento, agentes fazem buscas no gabinete do deputado na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

    Operação Segurança Pública S/A

    A Polícia Federal do Rio deflagou a Operação Segurança Pública S/A para cumprir sete mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão, expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Álvaro Lins foi detido em casa na Rua Cinco de Julho, em Copacabana, na Zona Sul. Policias federais apreenderam o celular pessoal do parlamentar, e fizeram buscas em seu gabinete, na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

    Segundo a PF, Lins é acusado de quatro crimes: lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, corrupção passiva e facilitação de contrabando. Agentes da Polícia Federal apreenderam um laptop na casa do ex-governador Anthony Garotinho, em Campos de Goytacazes, no Norte Fluminense, e fizeram buscas na residência do governador no Rio, na Rua Engenheiro Alfredo Modrach, em Laranjeiras. Segundo advogados de Garotinho, ele diz desconhecer as acusações.

    De acordo com a Polícia Federal, a Operação Segurança Pública S.A. é continuação das operações Gladiador e Hurricane, desencadeadas pelo MPF e pela PF, da quebra de sigilo fiscal de Álvaro Lins e de investigações posteriores. A quadrilha era responsável pelos crimes de facilitação de contrabando, e por não reprimir a atividade de exploração de máquinas caça-níqueis pelo grupo do contraventor Rogério Andrade, além de corrupção ativa e passiva, relativas à atividades da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente.

    O ex-governador Anthony Garotinho foi denunciado pelo fato de garantir politicamente a manutenção do grupo de Álvaro Lins à frente da Polícia Civil.

    Segundo o advogado Rarená Araújo, Álvaro Lins está tranqüilo quanto às acusações.

    Confira a lista dos crimes de cada denunciado:

    Álvaro Lins dos Santos – lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, facilitação de contrabando e corrupção passiva.

    Anthony Willian Garotinho – formação de quadrilha armada.

    Ricardo Hallak – lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, facilitação de contrabando e corrupção passiva.

    Alcides Campos Sodré Ferreira – corrupção ativa.

    Daniel Goulart – formação de quadrilha armada.

    Fábio Menezes de Leão, Helio Machado da Conceição e Jorge Luiz Fernandes, os 'inhos de Álvaro Lins' – facilitação de contrabando.

    Luiz Carlos dos Santos – formação de quadrilha armada e corrupção ativa.

    Mário Franklin Leite Mustrange de Carvalho – lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, facilitação de contrabando e corrupção passiva.

    Francis Bullos, sogro de Álvaro Lins – lavagem de dinheiro e formação de quadrilha armada.

    Sissy Toledo de Macedo Bullos Lins, Vanda de Oliveira Bullos, Amaelia Lins dos Santos, Maria Canali Bullos e Luciana Gouveia dos Santos – lavagem de dinheiro.

    Leia, nos links abaixo, mais matérias e artigos relacionados com o tema:

    Antônio Sapucaia: o exemplo que provém de Alagoas

    Foro privilegiado garante impunidade a políticos

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)